Ao transformar lobos em cães, humanos mudaram a estrutura do cérebro dos animais - Pet é pop

Ao transformar lobos em cães, humanos mudaram a estrutura do cérebro dos animais

Ao transformar lobos em cães, humanos mudaram a estrutura do cérebro dos animais
Ao transformar lobos em cães, humanos mudaram a estrutura do cérebro dos animais
Ao transformar lobos em cães, humanos mudaram a estrutura do cérebro dos animais (Foto: Reuben McFeeters/Unsplash)

De acordo com um estudo, a mudança de lobos para cães vai muito além de apenas aparência: os humanos também transformaram o cérebro dos cachorros.

Veja também:

+ Donos esquecem cadela do lado de fora, e ela toca a campainha… às 2 da manhã!
+ Dona adota solução criativa para impedir fuga de seus cãezinhos e viraliza
+ Saiba o que a terapia com células-tronco pode fazer pela saúde do seu pet

Para conduzir a pesquisa, Erin Hecht, neurocientista da Universidade de Harvard, e seus colegas reuniram uma biblioteca de ressonâncias magnéticas cerebrais de 62 cães de raça pura de 33 raças diferentes.

Assim que ela viu as imagens alinhadas uma ao lado da outra, “Você podia ver os resultados olhando para você”, disse ela. Os cães, que incluíam bichon frises, labradores e outros, tinham uma variedade de formatos e tamanhos de cabeça. Mas nenhuma dessas coisas por si só poderia explicar a variação na disposição dos cérebros dos cães.

Hecht e sua equipe identificaram seis redes de regiões cerebrais que tendiam a ser maiores ou menores de um cão para outro, e que variavam em conjunto. O padrão levou Hecht a pensar que essas regiões provavelmente estavam trabalhando juntas em comportamentos diferentes.

Ela se perguntou se os layouts variados poderiam ser devido a diferenças de comportamento entre as raças. Beagles podem farejar tumores cancerígenos em humanos e informar os médicos, por exemplo, e um border collie pode pastorear centenas de ovelhas (ou até mesmo perus) em um cercado com notável velocidade e agilidade.

Os pesquisadores observaram como as seis redes diferiam entre os cães com base nas características para as quais foram criados, conforme definido pelo American Kennel Club.

Cada uma das seis redes cerebrais correlacionada com pelo menos um traço comportamental, os pesquisadores relataram em 2019 no Journal of Neuroscience. Boxers e dobermans, às vezes usados ​​como cães policiais, mostraram diferenças significativas em relação a outras raças na rede que estava ligada à visão e ao olfato, por exemplo. Cães criados para lutas esportivas mostraram mudanças na rede que representavam respostas de medo, estresse e ansiedade.

Eles estavam particularmente interessados nas diferenças entre os cães criados para caça à vista e aqueles que caçam pelo cheiro. Os cães que se especializaram em caça de cheiros mostraram diferenças não nas primeiras regiões do cérebro que detectam cheiros, mas sim nas áreas mais sofisticadas que ajudam os cães a compreender e comunicar essas informações, que faziam sentido para Hecht.

“Eu ouvi treinadores que estão trabalhando com cães farejadores dizerem que você não precisa treinar um cão para ser capaz de cheirar algo”, disse ela. “Você só precisa treiná-los para denunciá-lo.”

Uma desvantagem de seu estudo, segundo a neurocientista, é que todos os cães examinados eram cães de estimação, não cães de trabalho. “É incrível que possamos ver essas diferenças em seus cérebros, embora eles não estejam desempenhando ativamente os comportamentos.”

Ela também diz que suas descobertas podem ter outras implicações. O fato de estarmos alterando as espécies ao nosso redor tanto que afeta sua estrutura cerebral é “profundo”. “Acho que é uma chamada para sermos responsáveis ​​sobre como estamos fazendo isso e como estamos tratando os animais aos quais fizemos isso”, concluiu a especialista.

  • Back to top