Antropóloga explica o que faz ser tão forte a ligação entre humanos e cães - Pet é pop

Antropóloga explica o que faz ser tão forte a ligação entre humanos e cães

Antropóloga explica o que faz ser tão forte a ligação entre humanos e cães
Antropóloga explica o que faz ser tão forte a ligação entre humanos e cães
Antropóloga explica o que faz ser tão forte a ligação entre humanos e cães (Foto: Petra Bouchalova/Unsplash)

Se você ainda tem dúvidas sobre o forte vínculo desenvolvido entre os cães e seus humanos, veja o que a antropóloga biológica Anne Burrows tem a dizer.

Veja também:

+ Confira as 20 raças de cães que têm vida mais longa
+ Homem brinca com cão do vizinho e é assassinado a tiros; entenda
+ Os gatos podem ser psicopatas? Novo estudo tenta responder

Segundo ela, a relação entre cães e os humanos se iniciou há cerca de 40 mil anos. Anne disse que o relacionamento foi definido como a maneira como cães e humanos leem as expressões faciais uns dos outros com alto grau de precisão. “E não há nenhum outro animal, selvagem ou doméstico, com o qual nos engajemos em um olhar mútuo”, explicou ela ao site TimesNews.

A antropóloga ainda explicou o que é o olhar mútuo. “Nós olhamos nos olhos um do outro. Se você tem um gato, pode manter o olhar mútuo, mas normalmente apenas durante um breve período de tempo. Tanto os humanos quanto os cães liberam o hormônio oxitocina (na corrente sanguínea) quando se olham mutuamente. É um hormônio que se destina a estabelecer um vínculo emocional”, disse Anne.

De acordo com a especialista, esse tipo de vínculo é frequentemente observado nas relações de mãe e filho. “Quando uma mãe olha nos olhos de um recém-nascido, normalmente seu cérebro libera oxitocina. Isso o encoraja a ficar parado. Você não quer ir a lugares. Ajuda a liberar leite. Os pais também o liberam quando olham nos olhos do bebê. Parece diminuir os níveis de testosterona e ajuda a diminuir os impulsos agressivos e (os faz) querer proteger e passar mais tempo com o bebê”, explicou. “Portanto, há essa resposta fisiológica que cães e humanos têm quando olhamos nos olhos um do outro.”

Anne também garantiu que a definição “o melhor amigo do homem” não poderia ser mais verdadeira. “Eles nunca nos deixam. Eles são leais, não importa o quê. Usamos cães para apoiar pessoas com deficiências potencialmente fatais. Temos cães-guia e cães com epilepsia. Temos cães na guerra que deram suas vidas para fazer seu trabalho. No final do dia, muitos de nós queremos voltar para casa e se aconchegar com nossos cães. Os cérebros humanos e caninos estão interligados. Nossa existência está ligada”, afirmou a especialista.



  • Back to top