7 erros que você deve evitar ao apresentar gatos e cães - Pet é pop

7 erros que você deve evitar ao apresentar gatos e cães

7 erros que você deve evitar ao apresentar gatos e cães
7 erros que você deve evitar ao apresentar gatos e cães
7 erros que você deve evitar ao apresentar gatos e cães (Foto: Chewy/Unsplash)

Apresentar um cachorro para um gato pode ser complicado, afinal, os animais têm personalidades muito distintas. Então, como fazer isso para que eles convivam pacificamente na mesma casa ou até mesmo se tornarem amigos?

Veja também:

+ Fotos de abusos contra gatos chocam usuários do Instagram; entenda
+ Vídeo: gato é pego em flagrante furtando hambúrguer do vizinho
+ Cão vira celebridade na internet com a sua aparência de pintura de Picasso

Confira alguns dos erros a evitar e o que não devemos fazer ao apresentar cães e gatos:

1. Não deixe que os cães tenham acesso às áreas para gatos

Um dos fatores mais importantes para estabelecer uma boa relação cão-gato é o quão confortável e seguro o gato se sente. Os donos podem ajudar um gato a se sentir seguro, certificando-se de que ele tenha um espaço para ir que o cão não possa alcançar, em áreas altas, como árvores ou prateleiras para gatos, e esconderijos grandes o suficiente apenas para o gato para acessar, ela acrescentou.

Pode ser útil tornar esses espaços mais fáceis para os gatos alcançarem, como puxar cadeiras da mesa de jantar ou puxar um sofá ligeiramente para fora da parede para que apenas o gato possa passar pela abertura. Os portões para animais de estimação podem ser usados ​​para manter os cães fora de certas partes da casa e alguns portões para animais de estimação vêm com uma porta para gatos.

2. Não deixe um gato na transportadora para a primeira reunião

Os gatos odeiam portadores em geral e colocá-los em um certamente não ajudará em sua primeira introdução aos cães, pois eles não terão uma rota de fuga. Especialistas sugerem que o gato não deve ser colocado em uma caixa transportadora, porque eles não poderão fugir quando se sentirem inseguros quando o cão vier cheirar a transportadora.

O mais sensato a fazer é colocar o cachorro atrás de um portão para animais de estimação quando você estiver fazendo apresentações visuais. Este grau de separação permite que eles se encontrem sem o risco de lesões. Uma vez que eles parecem estar calmos neste ambiente separado, os donos podem tentar colocá-los juntos na mesma sala.

Um local neutro, ao invés do espaço seguro do cão ou do gato, deve ser escolhido para a reunião. O gato deve poder vagar livre para que possa escapar se sentir necessidade, enquanto o cão deve estar na coleira para que você possa controlar seus movimentos e impedi-lo de perseguir o gato (mais sobre perseguição mais adiante).

Todd também disse que a pesquisa mostra que também pode ajudar se o gato estiver em casa primeiro, antes que o cão chegue, para a apresentação.

3. Não deixe o cachorro perseguir o gato

Os cães brincam de perseguição e quando um gato foge de medo, o cão pode interpretar isso como uma resposta brincalhona e continuar a perseguição. Essa falha na comunicação pode aumentar os níveis de medo e o comportamento defensivo do gato.

Para alguns cães, especialmente aqueles com um forte impulso para perseguir pequenos animais selvagens ao ar livre ou aqueles que perseguiram gatos ao ar livre, ser apresentado a um gato é mais desafiador e pode representar um risco de ferimentos.

Para manter os instintos de perseguição sob controle e promover um comportamento calmo, especialistas recomendam que seu cão saiba como você espera que ele se comporte quando o gato está presente.

Por exemplo, os donos podem dizer aos seus cães para se sentar ou deitar na presença do gato para reforçar o comportamento calmo e dar-lhes uma recompensa por essa ação. Dar um petisco ao seu cão nesta situação não apenas reforça a calma, mas também ensina que o gato é uma deixa para olhar para você em busca de uma recompensa.

4. Não coloque a comida deles no mesmo espaço

É muito importante que o cão e o gato recebam comida e água em espaços separados, para garantir que o gato não tenha que competir com o cão por seus recursos.

O gato deve ser alimentado separadamente do cão e certifique-se de que o gato passa um bom tempo com você. Os proprietários devem considerar manter o cão fora do cômodo quando você está passando um tempo com o gato, especialmente quando você está brincando com eles usando uma varinha, para evitar o desejo do cão de perseguir.

5. Não faça apresentações prolongadas

As reuniões entre o cão e o gato devem ser curtas e amáveis. Essas breves interações podem ser espalhadas ao longo do dia por pelo menos uma semana. Oferecer guloseimas a ambos os animais de estimação durante essas reuniões pode ajudar a construir associações positivas entre si.

A International Cat Care, instituição de caridade do Reino Unido, afirma que as apresentações iniciais devem gradualmente permitir que o cão e o gato tenham mais tempo para “apenas estarem” juntos.

Se ambos parecerem relaxados, permita que se aproximem um pouco mais, mas ainda mantendo as interações curtas e proporcionando muita calma, experiências positivas e interações humanas quando os animais de estimação estiverem presentes.

6. Evite gerenciamento de crises

Se a interação começar a parecer tensa, evite o impulso de intervir imediatamente para levar um dos animais de estimação embora.

Ações como mergulhar e agarrar o gato ou o cachorro em uma tentativa de dissipar a tensão elevarão os níveis de excitação e podem levar a uma experiência problemática que pode ser prejudicial para relações futuras.

Depois de antecipar que os animais de estimação serão capazes de dividir um espaço confortavelmente, as barreiras podem cair por um tempo. Mas isso só deve acontecer após múltiplas e graduais sessões interativas entre o gato e o cachorro que indiquem que é muito provável que eles fiquem bem juntos no mesmo espaço.

Atrair os animais de estimação para longe de cada um com comida ou brinquedos criará espaço entre eles, se for necessário em qualquer momento durante a reunião.

7. Não os deixe sem supervisão

As apresentações devem ser sempre conduzidas sob supervisão direta, o que implica monitorar ativamente e prevenir quaisquer problemas por meio de distrações positivas, como atrair os animais de estimação com comida ou brinquedos.

Na dúvida de que as coisas podem ficar intensas, sempre ponha um lado do cuidado e encerre a reunião enquanto os dois bichinhos parecem relaxados.

Como o cão e o gato parecem estar mais calmos e confortáveis ​​um com o outro, os donos devem continuar a elogiá-los e recompensá-los pelas interações positivas, de modo que esses comportamentos se tornem arraigados. Mas, até que você tenha certeza do resultado, o que pode levar de algumas semanas a alguns meses, não os deixe juntos por conta própria.

Mesmo quando seus animais de estimação estão em um estágio em que podem coexistir sem supervisão, os proprietários ainda precisam tomar medidas de precaução para a segurança de ambos, como manter as unhas do gato aparadas ou cobertas por protetores para evitar ferimentos em seu cão.

Além disso, os gatos também devem ter um espaço permanente sem cães em casa, usando portões para bebês ou uma porta para gatos.

  • Back to top