6 dicas para fazer a vida do seu gato muito mais feliz - Pet é pop

6 dicas para fazer a vida do seu gato muito mais feliz

6 dicas para fazer a vida do seu gato muito mais feliz
6 dicas para fazer a vida do seu gato muito mais feliz
6 dicas para fazer a vida do seu gato muito mais feliz (Foto: Zakaria Zayane/Unsplash)

A campanha Meu Gato no Vet da ROYAL CANIN ® está em sua terceira edição no Brasil para conscientizar os tutores sobre a importância de levar seus gatos ao Médico-Veterinário. Para este ano, a marca realizou uma parceria com a Turma da Mônica e trouxe o gato mais amado do Brasil, o Mingau, para uma história exclusiva. Para celebrar esse encontro, separamos algumas dicas de cuidados essenciais com os felinos. Confira o que a Médica-Veterinária Priscila Rizelo ensinou para a Magali

Veja também:

+ Entenda o que o seu gato tenta dizer pra você quando ronrona
+ Decisão de sacrificar 154 gatos apreendidos em operação de contrabando revolta a comunidade pet
+ 9 coisas que talvez você não saiba sobre os dentes do seu gato

Por que meu gato é assim? Entenda o comportamento do seu pet

Sabia que os gatos de pelo curto tendem a ser mais magros e fisicamente mais ativos, enquanto os gatos de pelo comprido tendem a ser mais pesados e letárgicos? Sim, entretanto, a maioria dos felinos partilham um mesmo comportamento: são extremamente curiosos! A Médica-Veterinária Priscila Rizelo conta que o temperamento de um pet tem tudo a ver com seus os traços comportamentais. A personalidade dos gatos é moldada por vários fatores como a genética e a primeira fase de vida do pet – período que vai de duas e nove semanas de idade, momento sensível para ele aprender coisas novas e socializar. Quanto mais positivo for o contato durante o crescimento, mais sociável e adaptado ao dia a dia do tutor será o gatinho quando adulto. “Mas, adotar um gatinho já adulto também é uma delícia, afinal eles são inteligentes e podem aprender muito”, conta Rizelo.

Sabia que os gatos de pelo curto tendem a ser mais magros e fisicamente mais ativos, enquanto os gatos de pelo comprido tendem a ser mais pesados e letárgicos? Sim, entretanto, a maioria dos felinos partilham um mesmo comportamento: são extremamente curiosos! A Médica-Veterinária Priscila Rizelo conta que o temperamento de um pet tem tudo a ver com seus os traços comportamentais. A personalidade dos gatos é moldada por vários fatores como a genética e a primeira fase de vida do pet – período que vai de duas e nove semanas de idade, momento sensível para ele aprender coisas novas e socializar. Quanto mais positivo for o contato durante o crescimento, mais sociável e adaptado ao dia a dia do tutor será o gatinho quando adulto. “Mas, adotar um gatinho já adulto também é uma delícia, afinal eles são inteligentes e podem aprender muito”, conta Rizelo.

Como saber se eles estão bem de saúde?

Os gatos jovens precisam fazer visitas ao Médico-Veterinário pelo menos uma vez ao ano, já os idosos devem visitá-lo com mais frequência. Além da rotina preventiva do animal, o profissional poderá avaliar o protocolo vacinal para manter o pet protegido contra doenças importantes, de acordo com o estilo de vida e necessidades individuais.

Os gatos costumam não demonstrar quando algo não vai bem, por isso é sempre bom ficar atento e levar o felino regularmente para realização de check-ups. De acordo com pesquisa* realizada pela ROYAL CANIN ®, 84% dos tutores de gatos consideram os Médicos-Veterinários a principal fonte de informação, mas 42% adiam a visita para evitar causar estresse no pet. A campanha Meu Gato no Vet foi criada com o propósito de conscientizar os tutores sobre saúde preventiva felina e se uniu à Turma da Mônica para incentivar tutores e gateiros a levar seus pets ao vet. Com isso, Magali, em sua aventura inédita, mostra como cuidar do Mingau e o levou a uma clínica Cat Friendly, adaptada à realidade dos felinos, com especialistas aptos a fazerem seu gato sentir menos estresse e ansiedade antes e durante a consulta.

Por que os gatos têm medo de sair de casa? Como sair com eles quando necessário?

Os gatos assumem: sair da rotina não é com eles! Por isso, o transporte adequado é muito importante. É possível evitar tensões e priorizar o bem-estar do bichano. Como? Ao transportar o gato, nunca o deixe solto no carro. Dê sempre preferência às caixas ou bolsas de transportes de materiais resistentes e que tenham aberturas em cima e na frente. É fundamental que o gato esteja familiarizado com aquele espaço, portanto o animal deve ter livre acesso à caixa, mesmo que não vá sair de casa. Para facilitar esse processo, deixe-a sempre confortável, com cobertores macios, brinquedos e itens pessoais, como uma meia, igual fez a Magali. Dica extra: durante o trajeto, entenda o efeito que sua própria ansiedade ou estresse pode exercer sobre seu pet, por isso, mantenha a calma e permaneça positivo. Converse com seu pet em voz baixa e calma, prossiga no ritmo dele, fique atento à sua reação e use recompensas que incentivem os comportamentos desejados (alimentos e brinquedos por exemplo).

Gato pode tomar banho?

Os gatos são seres bem higiênicos e se preocupam muito com a sua própria limpeza, chamada de “autolimpeza”, um processo parecido ao banho, mas utilizam lambidas em seu pelo para retirar impurezas. Eles não precisam tomar banho com constância como os cães, por exemplo. Dica da vet: caso o pet estiver se lambendo demais é bom buscar a ajuda de um Médico-Veterinário. Algumas doenças causam incômodos que levam os pets a se lamberem mais que o normal, como pulgas e carrapatos. Diferente dos cães, o recomendável é dar banhos ocasionais e sempre com água morna e produtos específicos para felinos, porque os gatos são sensíveis a fragrâncias muito fortes.

Segredos para uma alimentação felina saudável

A alimentação correta para o felino é muito importante, pois, além de oferecer mais qualidade de vida para o animal, pode ajudar a prevenir doenças de pele, cardiovasculares e até renais. Os gatos precisam de uma mistura complexa de nutrientes certos, então a escolha da ração é fundamental, adaptando os alimentos conforme a idade do pet. As comidinhas de fácil mastigação são recomendadas para filhotes e gatos idosos; as rações úmidas podem ajudar a manter hidratados os bichanos que não tomam muita água; os pets castrados precisam de um alimento específico para ajudar na regulagem do peso, entre outros. Para a Médica-Veterinária é importante estar atento ao peso e nutrição correta do pet, porque “os gatos podem desenvolver obesidade durante a vida, mas na velhice perdem peso. É necessário que os tutores estejam sempre atentos a uma boa alimentação!” Além disso, o tipo de tigela em que o alimento é oferecido pode influenciar na hora da refeição: por causa dos bigodes sensíveis, os gatos preferem se alimentar em recipientes mais profundos.

Play na diversão! Como brincar com os gatinhos?

Os gatos são seres que adoram um bom descanso e soneca durante o dia (eles chegam a dormir 18h por dia), mas o ideal é estimular brincadeiras para que ele se exercite, mantenha a forma e crie um vínculo com o tutor. Uma ótima opção de brincadeira é aguçar os sentidos felinos chamando eles para um “esconde-esconde” pela casa. Os gatos também adoram ter um espaço separado para se divertir com seus brinquedos e arranhadores, porque gostam de limpar as unhas e retirar partes lascadas que os incomodam. Gatinhos idosos precisam de um cuidado extra durante a brincadeira, de acordo com a Médica-Veterinária Priscila Rizelo, os mais velhos costumam não ter tanta energia para pulos altos (e não devem ser estimulados também a pular), além disso precisam ter fácil acesso aos brinquedos e alimentos.

Dica da vet: gatos adoram estar em lugares altos e saltar, assim é necessário ter rede de proteção nas janelas em casas e principalmente nos apartamentos, para segurança do pet durante a brincadeira.

Para saber mais sobre a campanha Meu Gato no Vet e a parceria com a Turma da Mônica acesse: https://www.royalcanin.com/br/meugatonovet .

  • Back to top