6 dicas mostram que, sim, é possível ensinar truques novos para cães idosos - Pet é pop

6 dicas mostram que, sim, é possível ensinar truques novos para cães idosos

6 dicas mostram que, sim, é possível ensinar truques novos para cães idosos
6 dicas mostram que, sim, é possível ensinar truques novos para cães idosos
6 dicas mostram que, sim, é possível ensinar truques novos para cães idosos (Foto: Camylla Battani/Unsplash)

É possível ensinar novos truques para cães velhos? De acordo com especialistas em treinamento animal, com muita paciência, até os cães mais teimosos podem aprender coisas novas.

Veja também:

+ Mulher é presa por fazer vaquinha para despesas médicas de cão morto
+ Empresa paga mais de R$ 200 mil para que dono e cão virem veganos por três meses
+ Donos compartilham fotos panorâmicas bizarras de seus pets

Mas por onde começar o processo? Tem muita informação por aí, por isso, é fácil ficar confuso com o conteúdo encontrado na internet. Confira o que dizem os especialistas sobre o assunto:

1. Identifique seus objetivos de treinamento

Existem dois níveis de treinamento de cães. Se você está interessado em treinamento de habilidades ou conduta básica, como ensinar seu cão a sentar, ficar e deitar, essa é a área de um treinador de cães.

Se o seu cão tem um problema de comportamento, como ansiedade, agressividade, medo excessivo, então o que você precisa é de um consultor comportamental para cães. Brianna Dick, da Pack Leader Help, conversou com o site NPR sobre a diferença entre as abordagens de treinamento.

“A maneira como abordo o treinamento de cães é baseado na psicologia comportamental”, explicou ela. “Não estamos analisando apenas os humanos físicos dos cães. Estamos analisando suas emoções e o relacionamento que eles têm com seus filhos.”

Se você precisa dos dois tipos de treinamento, comece com o mais complicado dos dois: o de comportamento. Um consultor de comportamento canino também será poderá ensinar seu cão a sentar, mas um treinador de cães estará muito menos equipado para ajudar seu cão a lidar com a ansiedade de separação, por exemplo.

2. Seja realista

“Assim como nem todo ser humano vai aprender a amar ir a raves, nem todo cachorro vai aprender a amar ir ao parque canino”, disse Kayla Fratt, consultora de comportamento canino certificada e proprietária da Journey Dog Training, à NPR.

Kim Brophey, etóloga aplicada, mediadora de cães da família e dona do The Dog Door Behavior Center, usa uma estruturação chamada L.E.G.S (learning, environment, genetics, self) para explicar o comportamento do cão.

Digamos, por exemplo, que seu cachorro está latindo para seus convidados. Como você não pode mudar um impulso genético de um pastor alemão para defender seu território, talvez seja necessário mudar suas expectativas.

3. Decida como você gostaria de treinar seu cão

Quando se trata de métodos de treinamento, você tem algumas opções: aulas em grupo, treinamento individual, treinamento diurno e treinamento autônomo, para citar os mais comuns. As opções mais baratas são as aulas em grupo, mas acabam sendo menos personalizadas para as necessidades do seu cão. Outros tipos de treinamento são mais adaptáveis, mas podem pesar mais no bolso.

A sua escolha dependerá do seu orçamento e dos seus objetivos de treino. Por exemplo, se o seu cão está agindo de forma agressiva em relação a outro cão em sua casa, isso provavelmente não será bem resolvido pelo treinamento que ocorre fora de sua casa.

Saiba também que você terá que se envolver no treinamento do seu cão, mas isso não precisa ocupar uma grande parte do seu dia. Cinco minutos por dia em treinamento deve ser o suficiente. Muitos dos deveres de casa que os treinadores lhe darão também podem ser divertidos e fáceis de trabalhar em sua vida cotidiana.

4. Entenda as metodologias

O treinamento de cães é um campo completamente não regulamentado, o que significa que qualquer pessoa com um site ou página no Instagram pode dizer que é um treinador de cães. Isso também significa que não há um livro de regras definitivo sobre quais métodos usar ao treinar um cão, e muitos treinadores discordam.

Muitos treinadores, no entanto, se enquadram em duas grandes categorias:

  • Treinadores de reforço positivo: reforço positivo significa dar algo bom ao seu cão (como um petisco) quando ele faz algo bom, então ele repete o comportamento. Ou dar ao seu cão algo bom para que ele associe algo que ele acha assustador a uma experiência positiva.
  • Treinadores equilibrados: treinadores equilibrados usam métodos de reforço positivo, mas também estão mais dispostos a incorporar correções, como coleiras eletrônicas, em seu treinamento.
5. Encontre um bom treinador

Se o que você precisa é de uma lista sólida de treinadores de reforço positivo ou treinadores equilibrados em sua área, um bom lugar para começar é com listas compiladas por várias associações profissionais.

E depois faça uma investigação. Entre em contato com antigos clientes, veja qual treinador faz você se sentir mais confortável e certifique-se de que eles podem explicar seus métodos de treinamento para garantir que seu cãozinho estará em boas mãos.

6. Não descarte a medicação

Pode ser assustador mudar a química do cérebro do seu cão. Mas se o seu cão está com medo, ansiedade, pânico ou agressão, isso não pode ser tratado apenas treinando. E você deve tratá-lo como a condição médica que é.

“É como ter um paciente com diabetes, certo? Você deve dar insulina ao seu cão para o diabetes, porque é isso que ele precisa para manter o nível adequado de hormônios em seu corpo”, disse a Dra. Andrea Y. Tu., veterinária comportamental e diretora médica da NYC Behavior Vets, ao site NPR. “No final das contas, isso é um desequilíbrio químico. E precisa ser tratado.”



  • Back to top