5 dicas para proteger você e seu cão contra a raiva - Pet é pop

5 dicas para proteger você e seu cão contra a raiva

5 dicas para proteger você e seu cão contra a raiva
5 dicas para proteger você e seu cão contra a raiva
5 dicas para proteger você e seu cão contra a raiva (Foto: Manuel Meza/Unsplash)

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 59 mil pessoas morrem de raiva em todo mundo por ano e, quase metade deles, são crianças com menos de 15 anos. No entanto, com medidas preventivas, incluindo a vacinação, você pode proteger seus familiares humanos e caninos.

Veja também:

+ A boca dos cães é mais limpa que a dos humanos? A ciência responde
+ Restos de ração dos pets atraem convidados indesejáveis: ratos
+ Em vídeos gratuitos, veterinária explica todos os cuidados com pets idosos

Dos cerca de 900 milhões de cães em todo o mundo, a maioria (75-85%) não são animais domésticos. Nos países onde a raiva é uma ameaça contínua e os surtos continuam, cães com ou sem donos podem estar em risco se não estiverem recebendo vacinas anti-rábicas.

Saiba mais sobre esta doença evitável e como você pode parar sua propagação:

1. Saiba o que é a raiva e como ela é transmitida

A raiva é uma doença zoonótica viral (uma doença que pode ser transmitida de animais para humanos) que causa inflamação fatal do cérebro e da medula espinhal, não apenas em animais selvagens, mas também em animais domésticos e humanos.

O vírus da raiva é transmitido pela saliva de um animal infectado, geralmente por meio de uma mordida ou arranhão. Em até 99% dos casos, os cães domésticos são responsáveis ​​pelas infecções por raiva humana.

O tempo que leva para mostrar os sintomas da raiva depende da distância que o vírus tem que percorrer desde o local da picada até o cérebro. Se alguém for mordido no dedo do pé, pode levar semanas ou até meses para mostrar os sintomas, mas se for mordido no rosto, ele ou ela pode ficar com raiva em apenas alguns dias.

Uma vez que os sintomas estão presentes, a doença é 100% fatal. Os sintomas incluem ansiedade, confusão, paralisia parcial, agitação, agressão, hipersalivação, dificuldade em engolir, medo de água e, eventualmente, paralisia, coma e morte.

2. Tenha cuidado com cães desconhecidos

Geralmente, é melhor evitar a abordagem de cães desconhecidos. Especialmente para cães que estão dormindo, comendo ou cuidando de filhotes, pois eles podem ficar assustados ou protetores se sentirem uma ameaça.

Se você encontrar um cachorro que não conhece, evite correr e gritar e, em vez disso, apenas evite o contato visual direto e permaneça imóvel. Fique atento aos comportamentos de advertência do cão, como rosnar, mostrar os dentes, pelo arrepiado nas costas, orelhas para trás e postura rígida.

3. Certifique-se de que seus cães sejam vacinados

Através da vacinação de cães, a raiva é 100% evitável. Você pode fazer sua parte garantindo que seu cão permaneça em dia com a vacinação anti-rábica, que é administrada por um veterinário em doses de um ou três anos.

4. Obtenha atenção médica imediata

Se alguém foi mordido ou arranhado por um cão com suspeita de raiva e pode ter sido exposto à raiva, a vacinação pode fazer parte do tratamento. No entanto, é importante lavar imediatamente a ferida por 15 minutos com sabão e água corrente. Isso pode ajudar a remover e inativar qualquer vírus que possa ter sido inoculado.

O curso de vacinação pós-exposição dependerá de seu histórico de vacinação anterior, portanto, você precisará consultar seu médico ou ir ao pronto-socorro para atendimento médico imediato.

  • Back to top